Ponto de partida

Aproximadamente 5.870 dias… Não parece muito mas lá se vão 16 anos vividos neste lindo e agradável Reino chamado Bélgica, localizado na Europa Ocidental, fronteira cultural entre a Europa germânica e a Europa latina!

Terra que visitei pela primeira vez quando, como sócia de uma agência de viagens, vim como turista, acompanhada do meu tão querido amigo-irmão Fernando Gualberto…
Viagem de crises de risos inesquecíveis e de descobertas fantásticas!

Para nós, brasileiros, este é um país surpreendente, a começar pelos números:

  • Três línguas oficiais – o holandês, o alemão e o francês – contra uma “mistura de línguas” (tupi-guarani,
    português, yorubá e italiano, pra resumir…) concentradas em uma só, o português-brasileiro.
  • Uma população de 10,7 milhões de habitantes contra nossos 209.550.974 milhões de habitantes.
  • Uma extensão territorial de 30.528 km², contra nossos 8.515. 767,049 km².
  • Um litoral de 66 Km contra 7.367 Km – não considerando baías, praias, dunas, recifes, falésias, mangues,
    recifes, restingas e outros, o que nos levaria a um total de 9.198 quilômetros!

Nossos conceitos de distância nos fazem rir quando ouvimos um belga dizer, por exemplo, que Waterloo – onde vivo – fica muito longe de Bruxelas (20Km!). Ou que Antuérpia fica “do outro lado do pais” (50 Km!).
Verdade seja dita, o trânsito, dependendo do horário, é chatésimo!
Nada a ver, evidentemente, com os engarrafamentos nas grandes cidades brasileiras…mas, como perdemos o hábito, achamos chato assim mesmo!

Costumes diferentes, país rico de uma história e de uma cultura que conhecemos muito pouco no Brasil. Ignoramos a origem de certos fatos históricos e, na maioria das vezes, sequer associamos a informação que temos ao país de onde ela veio!

Pátria-mãe do Surrealismo, das histórias em quadrinhos (BD, de Bande Déssinée) levadas tão à sério que tem até mesmo um museu!

Cantores e compositores que marcaram época e que, mesmo entre os que os conhecem, muitos ignoram a verdadeira nacionalidade: Jacques Brel, Johnny Halliday.

Pontos turísticos como a “Grand Place” de Bruxelas, mundialmente conhecida e considerada uma das mais belas praças do mundo – e é!

Pequenas e lindas cidades como Brugge, uma das muitas “Venezas do Norte”… Dinant, terra de Adolf Sax, o inventor do saxofone… Waterloo, de Napoleão e, – pasmem! – de Victor Hugo.
E tem mais, muito mais!!!

A idéia desta coluna então é esta: mostrar a Bélgica sob o olhar de uma brasileira que ainda hoje adora descobrir!
Mostrar, cada mês, um pedacinho dessa terra que se tornou a terra de adoção de muitos brasileiros. Mostrar brasileiros que aqui vivem e aqui (re-)constróem suas histórias.
Mostrar que Bélgica e Brasil criam e recriam laços cada vez mais estreitos, olhando o oceano que existe entre os dois não como aquilo que separa mas sim aquilo que une nossas terras, nossos povos e nossas culturas.

É a globalização presente no dia-à-dia de cada um de nós!

Bom “prim’outono” à todos!

Cet article a été initialement publié dans la revue Revista Emigrar

A lire aussi

Breve história – de lá pra cá… Muito tempo se passou desde que um primeiro papagaio verde foi colocado à venda em uma feira em Antuérpia, como nos mostra o quadro de Joachim Beuckelaer, datado de 1566. Logos após, vieram muitas ...
E os Brasileiros, quando foi que “descobriram” a Bélgica? O mapa do Brasil só ganhou “vida oficial” na segunda metade do século XVI, através do trabalho conjunto do matemático Gerardus Mercator (Rupelmonde / Bélgica, 1512 - Duisbourg /Alemanha, 1594) e do ca...
Nós aqui… e eles, lá! Tanto já se falou sobre a imigração e certamente muito ainda se falará… Estes 5 séculos de relações entre o Brasil e a Bélgica proporcionou a ambos os países  significativas possibilidades de troca...
E o Rio de Janeiro continua lindo… apesar de todos os pesares! Vimos o que sobrou do antigo Mercado Municipal, da obra de arte na Quinta da Boa Vista e um pouco sobre o que existe de “belga” nesta majestosa obra que é o Theatro Municipal. Vamos olhar um pouco ...
Laços estreitos, relações pacíficas! Relações pessoais Deixando ainda em suspenso nossa questão sobre quem terá sido o primeiro brasileiro a pisar em terras belgas, vamos explorar mais um pouquinho alguns aspectos curiosos dos belgas em...